Inicio

Este jornal tb é teu. Colabora. Podes enviar-nos os textos ou linkar aqui a tua página. Oferecemos-te uma plateia de milhares de pessoas. Junta-te a nós...

       Para lá do bem e do mal

A campanha nacional para a promoção da pedofilia desenrola-se normalmente. A primeira fase, agora terminada, até foi mais longe que o previsto. Não só se banalizou o horror, como pretendido, mas passou mesmo a assunto central das discussões. Já começou a segunda fase, revelando algumas personalidades respeitáveis ligadas à prática. Não falta muito que alguém faça a pergunta sacramental: "Qual é o mal?", iniciando-se então fase decisiva.

O fenómeno segue as regras estabelecidas. Ainda há anos realizou-se um processo equivalente à volta do aborto, logo a seguir ao mais bem sucedido de todos, com o preservativo. Junto com a homossexualidade, estes já atingiram a fase final, a consagração nos programas escolares. Era tempo de passar a outros campos. Por isso há muito eram evidentes os preparativos para nova campanha nacional. A única dúvida era no tema escolhido, que tanto podia ser o estupro como a pedofilia. As tentativas iniciais, centradas à volta do assédio sexual, pareciam indicar o primeiro. Mas, de facto, começar pela pedofilia permitirá melhor: depois passar para os outros tipos de violência.

Se a alguns ainda choca pensar que daqui a uns anos será banal considerar o horror das práticas pedófilas, é porque esqueceram o passado. Há uns anos era com a mesma náusea que se considerava o aborto e a homossexualidade. Há umas décadas era com o mesmo asco que se via a pornografia e o preservativo. Há umas gerações era com a mesma aversão que se olhava para o adultério e as uniões de facto. Em todos estes casos, a campanha venceu. O repúdio natural passou a oposição violenta, evoluiu como aceitação contrariada e terminou em banalização neutra. Hoje quem manifestar (sempre humilde e respeitadoramente, claro) opinião contra o divórcio, a pílula ou a pornografia será queimado como herege.

Não se deve pensar que estas campanhas são planeadas por poderes ocultos e sinistros. Os piores movimentos da História resultam de impulsos triviais. O deboche nunca precisou de partidos clandestinos. A ele juntam-se forças laterais, visíveis e identificáveis, mas apenas coadjuvantes e secundárias. Os media querem vender, os políticos procuram brilhar e os burocratas gostam de regulamentar. Todos entenderam há muito que o escândalo compensa. Se a isto se juntar a arrogância de parlamentares e técnicos ministeriais, a hipocrisia e o seguidismo populares, a campanha está montada, mesmo na ausência de cérebro planeador. Terá o sucesso das anteriores.

Se a busca do prazer se sobrepõe ao pudor e à família, onde estão os seus limites? Se é aceitável matar crianças dentro do seio da mãe, porque não se pode abusar delas depois de nascerem? Esta é a intuição genial de Nietzsche logo em 1886, ao compreender que, abandonadas as referências espirituais, passámos "para lá do bem e do mal". Tudo é permitido e pode ser recomendado.

Para lá do bem e do mal vive a miragem da libertação e o império do mais forte. O resultado é a dor e o sangue. A lógica de liberdade absoluta aplicada à propriedade e à raça deu a "ditadura do proletariado" e o "holocausto", tendências que estão a reaparecer. Aplicada à vida quotidiana dá ciúme, divórcio, promiscuidade, droga, a violência nos media, a clonagem, a inseminação artificial, as novas armas, o terrorismo e, claro, guerra. É o resultado de abandonar a árvore do conhecimento do bem e do mal.

João César das Neves, DN, 10 de Fevereiro de 2003


Voltar á primeira página